Mercado de carros usados: alta nas vendas, mas faltam carros; preços subiram

Setor de seminovos vive fenômeno nesse período

Como no segmento de carros novos, o setor de carros usados está vivendo um fenômeno em tempos de pandemia: está faltando carro, pois a demanda está maior que a oferta. A opinião é unânime entre os donos de revendas de veículos.  Conversei com o presidente do Sindicato dos Revendedores de Veículos Automotores do Estado do Ceará, Everton Fernandes, e ele avalia o que está acontecendo e faz seus prognósticos para 2021 (ANDRÉ MARINHO – JORNALISTA)

Carros usados estão sendo vendidos de acordo com a tabela Fipe e até acima

Segundo o presidente, que também administra shoppings de carros seminovos, “o mercado está bem aquecido, demanda bem maior que a oferta, e hoje estamos com problema de estoque”, revela. “Estamos com defasagem de 40%  no nível de estoques nas lojas, ou seja, estamos com 60% da média que seria ideal”. De acordo com ele, mesmo com todo o incremento nas vendas, ele avalia que o acumulado do ano será bem menor que em 2020, em torno de 30% a menos.

Causa: os três meses e meio que o segmento ficou parado, em função do Lockdown no Ceará pela pandemia. No segundo semestre de 2020, ele informa, no entanto, que o setor cresce 40% a mais em vendas que no mesmo período de 2019. “O grande problema: oferta reduzida e o impacto disso é no preço, antes abaixo da tabela Fipe e hoje em alguns casos com preço acima da tabela Fipe”, conclui.

Loja de seminovos em Fortaleza

O dono da loja de Seminovos Teco Rocha, que atua no setor há 25 anos na Teco Veículos, também avalia a situação da mesma maneira. Em sua loja, que está bem localizada, num corredor conhecido de Fortaleza, na Avenida Senador Virgílio Távora, o estoque está baixo, vendas aquecidas, e preços do carros usados subiram, tudo em função também da alta dos carros novos.  “Tem loja de seminovo comprando carro novo a preço de tabela para colocar em seu estoque e vender”, aponta.  “É uma situação que não me lembro de ter passado, e é em todo Brasil – Rio Grande do Sul, São Paulo, onde você liga é o mesmo problema”.

Prognósticos – A expectativa de voltar a normalidade, na opinião do presidente do Sindivel-Ce, Everton Fernandes, deverá ocorrer em abril de 2021, no início do segundo trimestre. Isso se o setor de carros novos conseguir equacionar também o mesmo problema de forte demanda e baixa oferta, até março. “Nosso mercado vai se recuperar em relação a oferta um pouco depois do segmento de carros novos“, opina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *